quarta-feira, junho 3, 2020

Na entrevista: Meus pontos fortes, tudo bem, mas e meus pontos fracos?

Por Roberto Santos

É muito comum ouvirmos em entrevistas de emprego, dinâmicas de grupo e outras situações, a tradicional pergunta: Quais são seus três pontos fortes e seus três defeitos, ou sua forma eufemística: suas oportunidades de desenvolvimento? E aí vem aquela dúvida mais fácil – quais, de minhas infindáveis qualidades, eu escolho para responder e aquele dilema bem mais atroz – que defeito eu poderia falar que me prejudicaria menos no processo em questão?

Por um lado, o problema com esta questão é técnico, pois o selecionador que toma a autodescrição do entrevistado – sejam suas qualidades ou seus defeitos – como verdade para basear sua decisão, já está errando, pois é muito fácil inventar qualidades e esconder os verdadeiros pontos fracos que temos.

Esta pergunta pode até ter certa validade se, por outros meios, o selecionador já detectou os pontos fortes e fracos da pessoa e quer checar o nível de autoconsciência sobre eles – base para o contínuo autodesenvolvimento.

Contudo, isso não resolve o dilema de quem precisa responder à pergunta num processo onde ele (a) depende da opinião favorável de quem faz a pergunta e criticar a deficiência técnica da abordagem não resolve.

Assim, numa apresentação pessoal, lidamos com duas questões: ética e prática. A primeira tem a ver com o quanto queremos falar a verdade e a segunda, o quanto posso ou devo focalizar os aspectos da “verdade” que mais se aplicam à vaga ou às competências que estão sendo avaliadas num processo de assessment interno.

Quando falseamos as informações sobre nossos pontos fortes e a desenvolver corremos dois riscos:

(1) o selecionador tem bases suficientes para avaliar a realidade sobre aqueles aspectos do entrevistado(a) e a “mentira” pesará contra em sua decisão ou

(2) o entrevistador aceita como verdade as invenções do candidato e, depois de algum tempo, a verdade emerge e perde-se o emprego.

Quando optamos pela verdade, podemos destacar os pontos que são mais relevantes para a situação em que estamos sendo avaliados. Se estamos sendo considerados para uma posição comercial, destacar como qualidades, nossa facilidade com números e habilidades interpessoais e mencionar como defeitos, nossa impaciência com certas burocracias processuais comuns em todas as empresas, estaremos falando verdades que podem até ser vistas como positivas para o processo.

Uma condição necessária para definirmos esta abordagem é o conhecimento prévio, ou pelo menos uma boa estimativa, do que é importante para a vaga ou empresa em que poderemos ouvir a famosa pergunta. Para ser também suficiente, a condição para planejarmos nossa resposta é termos exemplos de comportamentos passados que demonstramos em situações reais, pois um bom selecionador vai investigar comportamentos passados que permitam predizer os mesmos comportamentos no futuro.

Com Vya Estelar

- Advertisement -
- Advertisement -

Últimas

Como a LGPD vai levar o RH a uma segunda onda da digitalização

Salvo alguma mudança de última hora – uma proposta de adiamento está em tramitação na Câmara dos Deputados – faltam menos de seis meses...

Cinco hábitos de pessoas malsucedidas – que você pode evitar

O sucesso não é copiar os hábitos de outras pessoas ou seguir um caminho baseado em receitas de autoajuda. A maneira mais...

Solitários, esgotados e deprimidos: o estado da saúde mental dos Millennials

A “Business Insider” analisou o estado de saúde mental da geração Millenial – pessoas com idade entre 23 a 38 anos em...

Conheça seis comportamentos que podem atrapalhar a sua carreira

Fortes habilidades sociais e inteligência emocional são mais necessárias agora do que nunca. Na medida em que as organizações se conscientizam da...

Chefe e colegas de trabalho narcisistas? Aprenda a lidar com eles

Você sabe reconhecer um narcisista? Pessoas com este traço de personalidade costumam dificultar o seu dia a dia e, se forem tolerados e recompensados,...

Esqueça o carisma: entenda por que líderes humildes são bem-sucedidos

Existe um paradigma no mundo dos negócios que diz que os CEOs de sucesso são ambiciosos, orientados a resultados, individualistas e, acima de tudo,...

A discriminação dos candidatos por meio de testes de seleção

Nos últimos tempos, nunca foi tão alto volume do som das acusações e críticas contra os vários tipos de discriminação: racismo, homofobia e outros,...

Considerando uma mudança de carreira? Então leia esse post

Muitas vezes, uma mudança de carreira parece uma transformação glamourosa - uma imagem blasé do “antes” transformada em um belo “depois” em uma revista...