Início Gestão de RH Harvard confirma: empregados tóxicos arruínam cultura organizacional

Harvard confirma: empregados tóxicos arruínam cultura organizacional

0
5939
Harvard confirma: empregados tóxicos arruínam cultura organizacional

É do conhecimento geral que funcionários tóxicos são capazes de arruinar o clima organizacional, prejudicar a performance de outros profissionais e, em última instância, de gerar impacto negativo nos resultados da empresa. A nova constatação obtida por uma pesquisa da Harvard é que esses empregados tóxicos não só causam o que já citamos como também podem destruir a cultura de uma organização.

Para a cultura organizacional de uma empresa, nada é mais devastador do que a falta de confiança e atitudes desonestas que partem de pessoas tóxicas dentro do ambiente de trabalho. E o custo mais alto é a perda dos bons funcionários. Isso porque, em uma empresa com funcionários tóxicos, é mais comum os bons profissionais pedirem demissão do que aqueles que estão prejudicando o clima organizacional, especialmente se eles estiverem se sobressaindo às custas dos colegas eficazes e honestos.

O estudo da Harvard levantou números bastante preocupantes. O comportamento de um empregado tóxico pode acabar com a motivação e o engajamento de seus colegas de trabalho. A pesquisa realizada com mais de 60 mil profissionais aponta que 80% dos funcionários perdem tempo de trabalho se preocupando com as ofensas e o tratamento rude vindo das pessoas tóxicas no ambiente de trabalho. Além disso, 78% dos entrevistados afirmam que seu desempenho caiu por conta do comportamento de seus colegas tóxicos, afetando, consequentemente, a performance de 68% dos entrevistados.

Isso levanta uma questão importante: os líderes precisam cuidar dos seus funcionários e tratar do problema de determinados colaboradores a fim de não deixar que esse problema se espalhe e se transforme em algo muito maior e incontrolável. Para ajudar a identificá-los, veja, a seguir, uma lista com os principais perfis de pessoas tóxicas:

O preguiçoso – Esses são os mestres da procrastinação, passando responsabilidades para outra pessoa e dando desculpas quando não consegue concluir seu trabalho.

O intimidador – São aqueles funcionários agressivos com seus colegas de trabalho que usam sua posição ou personalidade intimidadora para alcançar os resultados desejados. O assédio moral no local de trabalho está em ascensão. Cerca de 25% a 50% dos profissionais relatam ter sofrido “bullying” no trabalho em algum momento de suas carreiras, levando a baixa produtividade, aumento de rotatividade, danos à marca e a reputação e custos legais.

O fofoqueiro – São aqueles que parecem ainda estar presos nos tempos do colegial ou da faculdade. Gostam de fazer drama através da disseminação de rumores e se metem na vida de todos.

O solitário – Este empregado é a antítese de do bom membro de equipe. Geralmente apresentam desafios únicos, pois apresentam um ótimo desempenho, batem todas as metas de vendas, mas não sabem trabalhar em equipe.

O desestabilizado emocionalmente – Todo profissional vem como uma bagagem emocional, por isso é importante entender seu histórico antes de chegar até a sua empresa para, assim, contratá-lo. Esses funcionários que usam seu ambiente de trabalho como consultório de terapia e isso é bastante prejudicial, mesmo quando não têm más intenções.

Roberto Santos, Sócio-diretor da Ateliê RH, complementa com as formas de lidar com este problema: “Há duas opções para se lidar com essa intoxicação do clima organizacional que uma pessoa pode causar: a preventiva e a corretiva. Claro que o ideal, sempre, é se prevenir o problema, evitando a contratação dessas “toxinas humanas”. Usar técnicas objetivas, como testes de personalidade de validade científica comprovada, complementadas com entrevistas focadas em comportamentos anteriores, cuidando-se para não cair na capacidade manipuladora e carismática que costumam fazer parte do perfil desses candidatos; finalmente, boas checagens de referências, complementam a vacina para evitar a contaminação de sua cultura organizacional. Porém, quando a opção preventiva fracassou, a segunda opção é extirpar o elemento tóxico de seu ambiente e fazê-lo o mais rapidamente possível, uma vez tenha os testemunhos e provas necessários. Este é o tipo de problema que se contemporizar ou deixar de lado, não se resolverá por si mesmo, tende apenas a se deteriorar.”

Alguns relatórios da Hogan Assessments trazem uma medida do que Hogan chama de “Empregabilidade Geral” – três características básicas para serem checadas antes de contratar alguém para qualquer cargo: Integridade, Controle Emocional e Habilidade Interpessoal – que certamente se relacionam com a grande maioria de erros de seleção.

Conheça as alternativas de soluções de avaliações para uso em seleção de pessoal. Clique aqui.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui