sexta-feira, setembro 17, 2021

A função das emoções nas tomadas de decisão

Muitos especialistas defendem que as emoções devam ter uma influência cada vez menor no processo de tomada de decisão no ambiente de trabalho. No entanto, aprendendo a compreendê-las, elas podem se tornar grandes aliadas, funcionando como guias.

Entre os maiores problemas causados pelas emoções no processo de tomadas de decisão é que, sob sua influência, tomamos decisões rápidas, sem entender o porquê. Geralmente, tomamos decisões na base da emoção e depois criamos razões racionais para justificá-la, principalmente quando dão errado. Além disso, a intensidade das emoções pode ofuscar um pensamento mais racional quando necessário.

Usando as emoções a seu favor

Uma das maneiras de usar as emoções a seu favor é estar consciente delas. Muitas pessoas têm dificuldade para identificar suas emoções, tendendo a classificá-las em categorias genéricas como “boas” ou “más”. Reconhecer uma emoção corretamente pode ser uma tarefa difícil. Raiva e frustração, por exemplo, são bastante similares, mas cada uma tem uma causa distinta.

Uma pessoa que tem procurado emprego há bastante tempo e ido a muitas entrevistas de emprego, sem sucesso, pode se sentir com raiva ao se ver injustiçado – “outras pessoas encontram emprego mais facilmente que eu, isso é injusto” –, mas também podem se sentir frustradas simplesmente por não conseguirem atingir um objetivo – “não importa o que eu faça, não consigo um emprego”.

Nesse caso, identificar a emoção corretamente pode ajudar a resolver o problema. Se é raiva, devido a se sentir injustiçado, o indivíduo precisa reexaminar suas crenças sobre justiça no mercado de trabalho, um caminho bem diferente de se sentir apenas frustrado.

Outro aspecto importante é reconhecer a intensidade das emoções. Uma maneira útil é classificando-as em uma escala de zero a dez. Frequentemente pensamos nas emoções como um problema apenas quando estão em excesso, mas a falta delas também é problemática.

A ansiedade, por exemplo, significa um sinal de alerta. Ninguém quer estar com a ansiedade em um grau elevado durante um discurso em uma reunião, mas estar com ansiedade zero ao dirigir durante uma tempestade em uma rodovia também pode ser um problema.

Quando a emoção é identificada e medida apropriadamente é possível tomar decisões racionais mais complexas e agir apropriadamente. Tornar-se consciente de suas emoções também ajuda a diminuir o viés emocional das decisões, possibilitando o uso da inteligência emocional para ajudar a usar as emoções para aumentar a produtividade no trabalho.

Com Huffington Post

- Publicidade -
- Publicidade -

Últimas